The Game Awards 2016

Gente, o negócio é o seguinte. Eu queria, mas queria muito mesmo ficar animada com o The Game Awards desse ano. Mostrar pra vocês toda a celebração da cultura gamer em uma noite de festa do mesmo jeito que o ano passado.

Mas os Game Awards desse ano não passaram de uma propaganda gigante de 2 horas e meia.

3 anos atrás, quando Geoff Kieghley resolveu fazer isso sozinho, os TGA eram pra ser a antítese dos Spike Awards. Mas no final? Virou a mesma bosta desrespeitosa de sempre que só quer vender.

Os The Game Awards de 2016 tiveram o menor tempo de todas as edições dedicados a reais premiações. Todos os prêmios foram dados de forma muito rápida e muito inconsequente. E a maioria dos prêmios nem foram dados no palco do show! De todas as 24 categorias, só 12 receberam prêmios no palco! E algumas dessas categorias nem fazem sentido, tipo “melhor criação de fãs” ou “melhor estúdio/direção”.

Eu me sinto envergonhada, inclusive, de me animar pra tal evento. Que a partir desse ano será a mesma bosta que o spike era: Corporações multinacionais chupando o pau umas das outras.

O show teve 4 momentos genuinamente bons. Mas eles sendo esmagados continuamente pelo corporativismo desenfreado, perderam quase todo o seu valor.

A premiação foi tão patética que ninguém nem se incomodou em fazer gifs engraçados Continuar lendo

Anúncios

Trans In Games’ Spin Off – Pokémon GO, Passabilidade e Gêneros Subjetivos

Isso é um Spin Off da coluna Trans In Games que eu criei com o objetivo de falar sobre Pokémon GO. Já tem um tempo que eu queria fazer um Trans In Games sobre Pokémon, mas a verdade é que a série não tem muita coisa pra ser trabalhada na questão de gênero. Não existe ambiguidade nos gêneros dos treinadores e treinadoras Pokémon exceto talvez de uma Beauty que aparece no Pokémon X/Y.

E aí veio Pokémon GO. E quando você chega no nível 5 nesse jogo, você deve escolher de qual time você fará parte: Você tem coragem e força do time Valor, sabedoria e inteligência do time mystic, ou intuição e instinto selvagem do time Instinct?

Não é de se impressionar que quando revelaram quem seriam os líderes dos vindouros times de Pokémon GO, a comunidade trans escolheu TODOS ELES. Continuar lendo

Pirataria e A História do Software, Pt. 1

Primeiro eu gostaria de fazer um post sobre a Blizzard fechando servidores café com leite de World of Warcraft, mas aí isso apareceu no meu tumblr: Microsoft está automaticamente programando atualizações para o Windows 10, o que torna o assunto desse post ainda mais importante (e nossa, esse artigo ficou um trilhão de vezes maior do que eu planejava).

Eu acho que é seguro assumir que a maioria das pessoas que leem o meu blog são brasileiras, não devem ganhar lá muito dinheiro por mês, devem ter umas tendências políticas mais puxadas pra esquerda e/ou anarquia, consideram comprar um videogame novo um luxo, compram jogo indie porque “porra, isso aqui tá custando quinzão. Eu tenho quinzão, vai” e mantém a maior parte da sua atividade gamer em jogos pirateados, usados ou comprados nas megas promoções absurdas da Steam.

Acho que todomundo aqui tem suas próprias opiniões sobre pirataria, mas todes podemos concordar que ela não é uma coisa ruim, certo? Ótimo.

E se eu dissesse pra vocês que há um lado da pirataria, entretanto, que é extremamente importante, mas a maioria das pessoas nem se toca que existe?
Continuar lendo

Ubifoda-se lança pacotes de pré-compra para ingressos de Assassin’s Credo

Eu costumava gostar de Assassin’s Creed. Assassin’s Creed era bom. Assassin’s Creed 2 era muito bom. Assassin’s Creed Brotherhood era muito bom. Assassin’s Creed Revelations foi meio podre, mas Assassin’s Creed 3 foi muito bom!

E depois a Ubisoft resolveu mostrar sua cara. E pato que partiu, que cara feia. Continuar lendo

20 Mulheres ALBT fictícias que inspiram a Felicia

Okay, eu sei que faz um tempo que o dia da mulher já passou, mas, ei! Antes tarde duke nukem.

Me inspirei num texto da Clarice do Ideias em Roxo e resolvi fazer uma lista de um monte de minas fictícias que eu curto pra caramba, mas a lista ficou grande demais, então eu fiz uma lista de personagens que me inspiram, e ainda assim ela ficou longa pra caralho, então eu encurtei mais ainda pra mulheres ALBT fictícias que me inspiram!

Isso inclui mulheres cis lésbicas, assexuais e bi/pan/poli/multi/omnissexuais, mulheres trans e pessoas transfemininas de todas as sexualidades, e pessoas com gênero fluído que passam boa parte do tempo se apresentando como mulheres.

E mesmo assim a lista ficou gigantesca. São 20 mulheres divididas em 16 itens e 4 categorias. E ainda tem mensões honrosas.

Antes de prosseguirmos com a lista, alguns esclarecimentos:
Continuar lendo

Aqun-Athlok, Transgeneridade Sob O Qun

Acabei de acordar de um sonho com um homem com a palavra Aqun-Athlok tatuada no peito.

Eu ando focando tanto em Dragon Age nessas últimas semanas que eu acho que está afetando meus sonhos, mas eu imaginei que seria uma boa hora de falar sobre O aspecto mais chato de Dragon Age: Inquisition: As contradições do Iron Bull sobre o Qun.

E também vou aproveitar e fazer um questionamento sobre inclusividade trans e apagamento intersexo.

Spoilers de Dragon Age: Origins, Dragon Age: Inquisition e Dragon Age: Those Who Speak. Continuar lendo

Trans In Games – Dragon Age – Maevaris Tilani

Aproveitando o climão de Dragon Age, eu resolvi falar sobre uma das personagens mais lindas da história da fantasia medieval. E também uma das poucas personagens no mundo dos jogos eletrônicos que é canonicamente trans.

CUIDADO, pois esse post contém spoilers de Dragon Age: Those Who Speak, Dragon Age: Until We Sleep, Dragon Age: Inquisition, Dragon Age: Inquisition: Trespasser  e…. Sense 8? Pois é.

Eu já falei dela em outro artigo (que eu recomendo que leiam antes de ler esse), mas agora eu quero entrar em mais detalhes sobre a vida, a magia e a beleza de… Continuar lendo

Dragon Age RPG – A Manhã Virá: Nova Stream de RPG de Mesa Com Felicia e Amigues!

Eu tenho atiçado minhes leitores da página do facebook com “estou preparando algo grande para esse mês”, e agora finalmente posso revelar o que é esse algo!

Vocês conhecem Dragon Age RPG? Ou Dragon Age, no mínimo?

Eu, o Pedro, a Clarice, a Ohki, a Thais e o Thi vamos jogar uma mesa online de Dragon Age RPG! E eu serei a narratriz! Whaaaat?! Continuar lendo

The Game Awards 2015

The Game Awards é uma premiação de videogames estadunidense criada pra celebrar a industria e a forma de arte que nós tanto amamos.

Essa premiação começou ano passado, como uma resposta do jornalista (e aparentemente milionário) Geoff Keighley à ridícula premiação anual que existia nos anos anteriores chamada “spike videogame awards” que mostrava um monte de gente que não tinha nada a ver com videogames no palco falando um monte de coisas que não tem nada a ver com videogames.

Essa premiação foi criada pra celebrar. Foi criada DE gamers PARA gamers. Não é uma competição, é uma festa.

E eu digo que a festa desse ano vai ser ainda melhor do que no ano passado, pois 2015 foi um ano ótimo pra jogos. Vários jogos ótimos sairam esse ano. A nossa última E3 foi cheia de inclusividade e eu to animadíssima pra saber o que virá ano que vem.

Mas sem mais delongas, vamos ao resumo da noite: Continuar lendo

Jogos Cor de Rosa

Esses tempos, minha amiga Clarice publicou no blog dela um post sobre deixar as garotas gostarem das coisas que elas gostam em paz. Ela citou outro texto que questiona porque devemos odiar coisas que garotinhas de 13 anos amam (em inglês). Isso me lembrou um texto que uma amiga havia me passado a muito tempo sobre porque algumas garotas que se sentiam bem jogando videogames 2 décadas atrás agora se sentem expulsas (em inglês). E mais recentemente, o PBS Game/Show lançou um vídeo fazendo questionamentos sobre a desvalorização cultural de “jogos cor-de-rosa” (Também em inglês. Foi mal galera =P). E eu quero falar disso também. Por quê? Bom, porque mesmo não me encaixando em qualquer definição binária de “mulher” eu amava joguinhos “de menina”. E o meu irmão, que é um homem cis, também amava. Continuar lendo