The Game Awards 2016

Gente, o negócio é o seguinte. Eu queria, mas queria muito mesmo ficar animada com o The Game Awards desse ano. Mostrar pra vocês toda a celebração da cultura gamer em uma noite de festa do mesmo jeito que o ano passado.

Mas os Game Awards desse ano não passaram de uma propaganda gigante de 2 horas e meia.

3 anos atrás, quando Geoff Kieghley resolveu fazer isso sozinho, os TGA eram pra ser a antítese dos Spike Awards. Mas no final? Virou a mesma bosta desrespeitosa de sempre que só quer vender.

Os The Game Awards de 2016 tiveram o menor tempo de todas as edições dedicados a reais premiações. Todos os prêmios foram dados de forma muito rápida e muito inconsequente. E a maioria dos prêmios nem foram dados no palco do show! De todas as 24 categorias, só 12 receberam prêmios no palco! E algumas dessas categorias nem fazem sentido, tipo “melhor criação de fãs” ou “melhor estúdio/direção”.

Eu me sinto envergonhada, inclusive, de me animar pra tal evento. Que a partir desse ano será a mesma bosta que o spike era: Corporações multinacionais chupando o pau umas das outras.

O show teve 4 momentos genuinamente bons. Mas eles sendo esmagados continuamente pelo corporativismo desenfreado, perderam quase todo o seu valor.

A premiação foi tão patética que ninguém nem se incomodou em fazer gifs engraçados Continuar lendo

Anúncios

Trans In Games’ Spin Off – Pokémon GO, Passabilidade e Gêneros Subjetivos

Isso é um Spin Off da coluna Trans In Games que eu criei com o objetivo de falar sobre Pokémon GO. Já tem um tempo que eu queria fazer um Trans In Games sobre Pokémon, mas a verdade é que a série não tem muita coisa pra ser trabalhada na questão de gênero. Não existe ambiguidade nos gêneros dos treinadores e treinadoras Pokémon exceto talvez de uma Beauty que aparece no Pokémon X/Y.

E aí veio Pokémon GO. E quando você chega no nível 5 nesse jogo, você deve escolher de qual time você fará parte: Você tem coragem e força do time Valor, sabedoria e inteligência do time mystic, ou intuição e instinto selvagem do time Instinct?

Não é de se impressionar que quando revelaram quem seriam os líderes dos vindouros times de Pokémon GO, a comunidade trans escolheu TODOS ELES. Continuar lendo

Trans In Games – Hyrule Warriors: Legends – Linkle

Essa elfa é uma humana!

E pior que é mesmo. Não existem elfas na lore de The Legend of Zelda. Assim como aparentemente não existe lugar pra uma Link mulher; e mulheres heroínas só no jogo spin-off da Omega-Force que não é nem considerado canon.

Sexismo vindo da Nintendo não é novidade pra ninguém. É um monte de senhores de 50+ anos fazendo jogos pra crianças e adolescentes japoneses de acordo com as suas próprias visões de mundo antiquadas e machistas. Um ex empregado da Nintendo contou para o Kotaku (infelizmente não consegui achar a fonte; quem conseguir, me manda) um relato bem detalhado falando sobre inovação é impossível na empresa que funciona mais como um feudo japonês da era Sengoku do que uma desenvolvedora de videogames.

E quando os primeiros trailers do, agora conhecido como Breath of The Wilds saíram, todomundo estava super animade pra ver uma link menina num jogo principal da série. E o lançamento da Linkle em Hyrule Warriors só deixou a gente ainda mais animade!

Mas aí a E3 aconteceu e toda possibilidade de um dia podermos ver Link como menina caiu por terra… Ou será que caiu mesmo? Continuar lendo

E3 2016 – Parte 2

Então, eu tava assistindo o PC Gaming Show desse ano e aí toda a energia elétrica da minha casa simplesmente caiu LOL

Mas isso não vai me impedir de mostrar pra vocês o resto do que ta acontecendo na E3 desse ano. Ontem eu já postei o resumo das coletivas de imprensa da EA, Bethesda, Microsoft e Ubisoft, e hoje é a vez da PC Gamer, da Sony, da Nintendo e da Square Enix.

Espero que gostem! Continuar lendo

Apropriação Transgênera

Falar sobre personagens transgêneras em videogames é algo extremamente complicado porque elas não existem.

A maior parte de vocês sabe que isso é provavelmente a coisa que eu mais faço nesse blog: Falar de personagens trans em jogos de videogame. Mas tirando o Krem, a Erica e a Sya, nenhuma dessas personagens é canonicamente transgênera. Na verdade eu tenho uma lista enorme de personagens das quais falar na coluna Trans In Games, mas sabem quantas dessas personagens são canonicamente trans?

Quatro…

Então porque eu falei de tantas outras personagens falando que elas são trans, sendo que elas não são canonicamente trans?

É algo que eu tenho pensado muito comigo mesma e com algumas amigas trans minhas. E acho que isso seria algo chamado de “Apropriação Transgênera”. E isso é uma coisa boa e necessária pra gente conseguir criar o nosso próprio espaço na comunidade gamer.

E se você for um homem cis vindo aqui dizendo que a gente não pode se apropriar das personagens, nem se dê ao trabalho de ler o resto. Vai fazer algo útil tipo alimentar seus bichinhos de estimação. Eles precisam de ti. A gente não. Continuar lendo

Trans In Games – Kirby

Esse provavelmente será o último Trans In Games do ano, e eu queria fechar o ano com uma coisa fofinha e cor de rosa. E não existe nada mais fofinhe E cor de rosa que e próprie Kirby!

Mas agora você deve estar pensando “What the fuck, Felicia? Desde quando Kirby é trans?”

Okay, você tem razão. Kirby não é trans no sentido de que recebeu um gênero no seu nascimento, mas no decorrer da sua vida se viu como sendo de um gênero diferente… ENTRETANTO, não existe maior desafio a normas de gênero no mundo dos jogos do que essa bolinha cor de rosa que gosta tanto de comer!

Possíveis Spoilers de Kirby’s Avalanche, Kirby’s Dream Land 3 e Kirby 64: The Crystal Shards (mas nada demais) a seguir~

Eu não to conseguindo evitar o sorriso enquanto faço a pesquisa pra essa matéria! Kirby é a coisinha mais fofa do mundo! Continuar lendo

Jogos Cor de Rosa

Esses tempos, minha amiga Clarice publicou no blog dela um post sobre deixar as garotas gostarem das coisas que elas gostam em paz. Ela citou outro texto que questiona porque devemos odiar coisas que garotinhas de 13 anos amam (em inglês). Isso me lembrou um texto que uma amiga havia me passado a muito tempo sobre porque algumas garotas que se sentiam bem jogando videogames 2 décadas atrás agora se sentem expulsas (em inglês). E mais recentemente, o PBS Game/Show lançou um vídeo fazendo questionamentos sobre a desvalorização cultural de “jogos cor-de-rosa” (Também em inglês. Foi mal galera =P). E eu quero falar disso também. Por quê? Bom, porque mesmo não me encaixando em qualquer definição binária de “mulher” eu amava joguinhos “de menina”. E o meu irmão, que é um homem cis, também amava. Continuar lendo

Casamentos homossexuais em Fire Emblem Fates

Depois da Nintendo ter feito a coisa mais homofóbica que um estúdio de videogames poderia fazer no Tomodachi Life, parece que eles voltaram atrás e estão apostando em inclusão com o Fire Emblem Fates, dando a possibilidade dos jogadores terem relacionamentos homossexuais dentro do jogo.

Mas não é uma inclusão lá muito inclusiva…. Continuar lendo