Resenha: Anime Saga – A Primeira Jornada

“Anime Saga é um jogo de entrada no hobby, leve mas com opções estratégicas interessantes”. HAUHEUAHEUHAUEHAUHEUAHUHAUHEUAHREUHAUEHUAHEUHA. Alguém embebedou a Ludopédia. Deve ter sido esse tal de Michael Alves. Continuar lendo

Anúncios

Resenha: Blood Rage

PELAS BARBAS DE YMIR como eu amo mitologia nórdica e os povos da antiga Escandinávia e ao mesmo tempo odeio Vikings (sorta)!

Blood Rage é um jogo do caralho que trata de todos os aspectos mitológicos e culturais da vida Viking indo desde o favor dos deuses até saques de cidades aleatórias em ciclos de vida e morte que consistem o Ragnarok! E tem tudo que você esperaria de uma fantasia baseada em vikings: Desde bênçãos de Hel até saques de cidades vizinhas, apropriação cultural e mulheres de bikini-mail NO MEIO DA NEVE.

Eu amo esse jogo e detesto ele ao mesmo tempo. Vamos falar de Blood Rage.

Continuar lendo

Violências Lúdicas e Simulação de violências reais

Da última vez nós discutimos sobre o que é violência dentro de um jogo, o que são agentes, e como eles se interligam. E chegamos a uma semi-conclusão de que a pergunta “porque jogos são tão violentos”, por mais que não seja falaciosa, é mal direcionada.

Violência dentro de um jogo pode tomar várias formas que podem ou não ter a ver com violências nocivas que podemos ser obrigadas a enfrentar no mundo real.

É sobre isso que quero falar hoje. E sobre como essas violências es assemelham ou se diferenciam quando se manifestam em reinos lúdicos diferentes.

Pra entender esse post você vai ter que ler o seguinte:

Continuar lendo

Agência e Violência Dentro Dos Círculos Mágicos

Vamos falar de problemáticas de Design?

Você já deve ter notado que videogames tem uma tendência bastante… violenta. O tempo todo nós estamos atirando, assassinando e pulando nas cabeças dos nossos inimigos. Até o simples ato de desfazer uma linha de crochê é, por definição, um ato de violência no contexto de Kirby’s Epic Yarn.

Porque isso acontece? Continuar lendo

Resenha: Mansions of Madness Segunda Edição

Primeiro de tudo: esclarecimentos.

Esse post não foi feito pro meu blog, apesar de eu ser a autora. Eu to trabalhando como redatora e… Resenhista? Da Rocky Raccoon! Não é fixo. É só uns freelas com notícias e resenhas dos jogos da loja e da locadora deles. Mas enfim, eu to sendo paga pra falar desse jogo.

Vamos ao que interessa.

Quando a gente fala de série Arkham, isso pode significar duas coisas:

  1. A série de videogames mais recente do Batman, que é… Okay?
  2. A série de boardgames, card games e livros da Fantasy Flight Games que se baseiam na obra de H.P. Lovecraft e dos autores lovecraftianos depois dele. Também conhecida como Arkham Horror Files.

E eu AMO Arkham Horror Files. Continuar lendo

Correção: Reinos Lúdicos São Dinâmicas, Não Gêneros.

Sabe quando você tá pesquisando um assunto aí você nota que tem que escrever sobre outro assunto antes, aí você escreve, aí volta pra pesquisa, e nota que você falou bosta, e aí se corrige, quando se corrige nota que precisa falar de mais um aspecto antes de chegar no assunto final, e aí fica morrendo de medo de quando você realmente tiver o conteúdo pra chegar no assunto final note que ainda falta merda pra ser falada?

É, pesado.

Mas esse post vai ser um adendo curtinho pra outros dois textos que publiquei anteriormente. Continuar lendo

Resenha: Attack on Titan – Deck Building Game

Attack on Titan – The Deck Building Game é um jogo cooperativo (com modo de jogo solitário) de construção de baralhos desenvolvido pela Cryptozoic e publicado em novembro de 2016, baseado na série de animação japonesa de mesmo nome que FAZ MEU CORAÇÃO PARAR TODA SEMANA.

Infelizmente o jogo não faz o meu coração parar do mesmo jeito que o desenho, mas ainda é divertido. Continuar lendo

Reinos Lúdicos: Jogos Digitais, Analógicos e Emocionais

To me sentindo uma bióloga aqui.

Eu to faz dias tentando escrever sobre vários assuntos relacionados a design de jogos, mas tá difícil porque a Felicinha de vocês resolveu brigar com os acadêmicos já situados dentro do mundo dos jogos e começou a usar os próprios termos. E eu só vou conseguir publicar essas paradas depois que eu definir esses termos. Então eu acho que vou ser obrigada a começar a falar pra vocês as minhas teorias malucas totalmente fora do “consenso geral” (pra falar a verdade, eu acho que ludologia é um estudo tão jovem que nem tem como existir um consenso geral ainda. Eu já vi pelo menos uns 3 nomes diferentes pra Dissonância Ludonarrativa).

Então eu quero começar a falar sobre os reinos lúdicos. Essa é uma teoria que surgiu na minha cabeça nas últimas semanas enquanto pesquisava um assunto relacionado a “jogos digitais”.

Continuar lendo

Trans In Games – Overwatch – D.va & A Apropriação Agressiva

Arte por KNKL

AAHHHHHH FINALMENTE TENHO UM COMPUTADOR DE VOLTA, PORRA!

Como é agonizante ficar sem me comunicar com vocês! Yeesh.

Mas agora eu to de volta, vai rolar altas novidades (então não esquece de me seguir no Facebook). E eu decidi chegar chegando.

É muito, muito raro quando uma desenvolvedora de videogames cria protagonistas trans de propósito. Eu falei já sobre apropriação transgênera em outro momento. Mas hoje eu quero falar sobre um fenômeno que eu creio ter pego a comunidade trans gamer um pouco surpresa, mas nos fez sentir ainda mais válidas do que nos sentíamos antes e iniciou um movimento ainda mais agressivo de apropriação transgênera da nossa parte.

Edit: Esse post é sobre MEMES que fazem parte de um movimento trans anarquista. A D.va NÃO é canonicamente trans e não é isso que to querendo dizer aqui. Ok? Ok. Continuar lendo